​​
​​ ​​

​Comunicado Data Base




Comunicado 10/11/2014:


A Embraer informa que hoje (10), às 9h, em assembleia com a participação de cerca de 5.000 de nossos empregados, por ampla maioria foi decidido o término da greve. Mais uma vez o sindicato não levou a proposta da FIESP à votação pelos empregados, conduzindo o processo para um possível dissídio coletivo.

Tão logo o sindicato retirou os bloqueios, a partir das 9h45, os empregados puderam entrar na Unidade Faria Lima, em São José dos Campos, e retomaram as atividades, que seguem normalmente. Ainda não é possível avaliar os impactos da paralisação provocada pelo Sindicato. ​

Também hoje o sindicato bloqueou o acesso dos empregados à unidade de Eugenio de Melo, impedindo o direito de ir e vir. Em assembleia, os empregados daquela unidade decidiram pela não paralisação.

A Embraer reitera o seu apoio à proposta apresentada pela FIESP aos sindicatos que ainda estão em negociação - em Gavião Peixoto, Taubaté e Sorocaba -, bem como ao sindicato dos metalúrgicos de São José dos Campos na semana passada.


EMBRAER S.A.



Comunicado 08/11/2014:


Em reunião ontem com a FIESP, as empresas do setor aeroespacial ratificaram sua posição limite em torno da proposta apresentada aos sindicatos (7,4% de reajuste) que representam a categoria em São José dos Campos, Gavião Peixoto, Sorocaba e Taubaté.

Em um cenário de impasse, as possibilidades de solução vêm através de uma decisão em assembleia ou via judicial (dissídio).

No caso de solução pela via judicial, a discussão se inicia no TRT - Tribunal Regional do Trabalho (Campinas), com possível recurso, por qualquer das partes, junto ao TST - Tribunal Superior do Trabalho (Brasília). É difícil estimar com precisão a duração de um processo desse tipo, mas o histórico indica a probabilidade de muitos anos até sua efetiva conclusão. Durante esse período, as empresas que concederam antecipação da data-base por liberalidade (5,3%) poderão manter esse índice até a decisão final.

Os fatos que vêm ocorrendo nos portões da fábrica representam um total desrespeito ao direito dos empregados de ir e vir e de entrar para trabalhar, com eventos lastimáveis de ofensas e até agressões físicas. O direito de escolha dos empregados é soberano e precisa ser respeitado por todos. Nesse sentido, a proposta da FIESP precisa ser apresentada e votada por todos os empregados.

A prática de impedir o acesso das pessoas ao local de trabalho tem impactado operações críticas da Empresa, como entrega de aviões, atendimento a operadores em AOG, processamento de obrigações fiscais e contábeis, dentre outras. Os danos potenciais não afetam negativamente apenas a Empresa, mas seus clientes, fornecedores e empregados.

É fundamental que os direitos individuais e coletivos sejam respeitados.


EMBRAER S.A.



Comunicado 07/11/2014:


Em adição ao nosso comunicado de ontem, a Embraer informa: Hoje, dia 07/11, não houve assembleia. Mais uma vez o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos não colocou em votação a proposta apresentada pela FIESP e continuou a cercear o direito de ir e vir pelo uso da força física, inclusive com a ocorrência de alguns incidentes lastimáveis de agressões e desrespeito aos empregados que manifestaram seu desejo de entrar para trabalhar.

Esta prática de impedir o acesso vêm impactando operações relevantes da Companhia, causando danos para seus clientes e empregados. Conforme divulgado ontem ao mercado, ainda não é possível avaliar as consequências para os resultados da Empresa no ano.

Em reunião hoje com a FIESP, as empresas do setor aeroespacial ratificaram sua posição limite em torno da proposta (7,4% de reajuste) apresentada aos sindicatos que representam a categoria em São José dos Campos, Gavião Peixoto, Sorocaba e Taubaté.

A Embraer reafirma sua posição de que o direito de escolha dos empregados precisa ser preservado, assim como seu direito constitucional de ir e vir, inclusive de entrar e sair de seu local de trabalho sem qualquer tipo de coação.


EMBRAER S.A.

  ​​​​​​

​​​​